Saturday, October 31, 2015

Portuguese alphabet and pronunciation

Go to Omniglot page about Portuguese alphabet

my notes:
- the b and d are very, very, very soft, like a feather... the same with all the other consonants... I don't think any other language offers as much variation in the pronunciation as Portuguese.
- e is often [i], and disappears in the end of the word. In "bem"... it's almost Danish "ej". O is [u] and ou is [o] :-D
- some vowels sound like the Swedish ones - one must be very careful with the vowel sounds to get them right. Sometimes vowels are not pronounced, the bindings are interesting etc. There probably are rules, but I don't know them yet, so I need to struggle with them.
- m is sometimes almost n or ng
- r can be anything from the almost French r to the... er... there is a Swedish dialect that pronounces the R the Portuguese way, with a lot of roll and a bit of rock :-D (And every now and then there's a hint of L in the R, too...  Here's quite a good example. The rock-and-roll R is about 1:50 when she sings "Rolar no meio de tanta riqueza"




Tu achas que eu sou uma selvagem
E conheces o mundo
Mas eu não posso crer
Não posso acreditar
Que selvagem possa ser
Se tu é que não vês em teu redor (teu redor)

Tu pensas que esta terra te pertence
Que o mundo é um ser morto mas vais ver
Que cada pedra, planta ou criatura
Está viva e tem alma, é um ser

Tu dás valor apenas às pessoas
Que acham como tu sem se opôr
Mas segue as pegadas de um estranho
E terás mil surpresas de esplendor

Já ouviste o lobo a uivar sob a lua azul
Ou porque ri o lince com desdém
Sabes vir cantar com as vozes da montanha
E pintar com quantas cores o vento tem
E pintar com quantas cores o vento tem

Vem descobrir os trilhos da floresta
Provar a doce amora e o seu sabor
Rolar no meio de tanta riqueza
E não querer indagar o seu valor

Sou a irmã do rio e do vento
A garça, a lontra são iguais a mim
Vivemos tão ligados uns aos outros
Neste arco, neste círculo sem fim

Que altura a árvore tem
Se a derrubares não sabe ninguém

Nunca ouvirás o lobo sobre a lua azul
O que é que importa a cor da pele de alguém
Temos que cantar com as vozes da montanha
E pintar com quantas cores o vento tem
Mas tu só vais conseguir
Esta terra possuir
Se a pintares com quantas cores o vento tem

No comments:

Post a Comment